sexta-feira, 22 de maio de 2009

AMAmentaR ou Por que eu amamento?

Outro dia, fazendo minha social de todas as manhãs na pracinha, me aproximei de uma recém-mãe e sua bebê de 1 mês. Falávamos daqueles assuntos básicos que tanto preenchem nossos dias (bebês, choro, sonecas, banhos...) até que o assunto amamentação veio à tona.

Ela me falava que há algum tempo estava complementando a amamentação com leite artificial, contou o quanto chorou com isso, mas que no final estava até feliz pois agora sua filha já não chorava tanto, suas mamadas eram mais regulares, o intervalo entre cada mamada havia aumentado e a bebê já não dependia mais tanto dela.

Não resisti e acabei indicando a ela as reuniões do Amigas do Peito que aconteciam pertinho da casa dela, falei que já tinha buscado ajuda com eles e como havia sido bem acolhida e que bebês choram mesmo, que cansam e não são mesmo nada previsíveis. Mas uma questão ficou pulsando na minha cabeça, afinal porque amamentamos, ou melhor, porque EU amamento?

Claro, claro, conheço de “cor e salteado”, como diria minha avó, todos os benefícios da amamentação e não estou aqui para defender o desmame de modo algum. Amamentar além de ser uma forma de nutrir nossos filhos com um alimento feito na medida certa para eles, é a melhor das vacinas e é parte importântíssima na formação do vínculo mãe e filho. Mas sejamos honestos, mesmo sabendo o quanto é importante uma alimentação balanceada, uma vida tranquila e a prática regular de exercícios, basta nos deparamos com um domingo chuvoso que tudo vai por água a baixo (literalmente). Então ficou a questão, por que EU amamento? O que me faz acordar todas as madrugadas, suportar o cansaço, a dor nas costas, a sede, a baixa de imunidade que me atacou, a super dependência da Malu...

E então a resposta veio. Ela veio na forma da Malu “fuçar” o meu peito na hora de dormir, no jeitinho especial que ela procura minha mão quando eu a amamento, no barulinho bom que ela faz quando mama com vontade, no olhinho cheio de ternura que revira conforme o soninho chega, no leitinho que escorre daquela boquinha linda conforme o sono vai tomando conta, no sorriso semi-banquelo que ela dá logo antes de soltar o peito, na sensação boa que sinto quando ela suga o meu peito e, principalmente, na paz daquele momentinho que é só nosso, daquele olhar que é só para mim. Nossa, é tanta sensação boa que as vezes fico na dúvida se é ela que mama em mim ou se sou eu que mamo nela...

Claro que como tudo na vida temos nossos altos e baixos, mas lembrando da conversa com aquela mãe na pracinha só posso agradecer o apoio que tenho para amamentar minha filha e dizer: Vale a pena!

E para você, como é amamentar?

12 comentários:

Lila disse...

O início não foi fácil, você sabe. O peito rachou e a Alice demorava a pegar e sugar...Foram cerca de dez dias de dor e insegurança. Mas passou e hoje é muito bom! A Alice também dá o sorrisinho banguela, faz barulhinhos e revira os olhos...me identifiquei muito com seu post. beijos e parabens pelo blog!

Mãe da Ana Luiza disse...

Oi Gabi! Sou lá do orkut... da entre amigas! Amei os posts! Vou te linkar no meu blog, ok?!

Beijokas pra vc e pra Malu

Aline Melo disse...

Gabi, você tocou em dois pontos fundamentais para a amamentação funcionar: 1) apoio e 2) prazer. O prazer de amamentar, em geral, é sentido quando a mãe tem apoio (emocional e de ordem prática - lavar, passar, cozinhar etc).
Curta muito esse momento, pois ele passar muito rápido. Daqui a pouco Malu vai estar pedindo para ir ao cinema com o namorado ai, ai, ai...
bjs, Aline Melo (mãe que amou amamentar a Luiza - 19 anos - e a Clara - 15 anos)

Grazi disse...

Adorei seu blog gabi! Ta muito lindo! E esse post ta super legal, vou repassar pra minha mae pra indicar as "pacientes" dela.
Bjocas!

Claudia disse...

Nossa, pelo seu relato, deve ser uma experiência muito gostosa! Já estou começando a imaginar como será!!!
Adorei o blog!
bjus, cacau.

Mariana disse...

Olá Gabi!
Bemvinda ao delicioso mundo das recém mães blogueiras...
Inclusive quero pegar umas dicas de diagramação contigo...Achei ótima a idéia de sempre terminar com uma pergunta. É um ótimo incentivo.
Enfim...amo amamentar.Fico super feliz com o resgate e a valorização da amamentação, assim como do parto normal. Acho super válida a campanha mas é importante a gente entender as mães que não conseguem...Eu, por exemplo, não consegui o parto pelo portão principal...provavelmente Deus não me achou preparada por algum motivo...
um beijo,
Mari.

Carla Portes disse...

Oi Gabriela!
Recebi o convite do seu pai via orkut, resolvi vir conferir seu blog, e achei muito interessante.
Sou mãe de duas criaturas maravilhosas, Guilherme(10 anos) e Júlia (5). Duas experiências diferentes.
Concebi o Gui num momento de muita ansiedade e espera pra engravidar.Foram 5 anos de tratamento para engravidar, muito desgaste emocinonal, mas enfim realizei meu desejo, SOU MÂE!
Amei amamentar meus dois filhos, era um momento só "nosso", de intensa troca afetiva.
Vejo a amamentação como uma dupla "doação"; a mãe doa sua paciência, seu afeto, seu amor e seu leite ao seu bebê.
O filho ao nos "permitir" amamentá-lo, nos proporciona uma vivência divina, nos permite crescer emocionalmente e espiritualmente, nos leva a refletir sobre a eterna doação e dedicação do que é SER MÃE.
Amamentar é simplesmente um preparo para a eterna doação que a maternidade nos "impõe".

Sou MÂE, e sou feliz por isso!

Um gde beijo e muita paz a todas as mamães.

Carla Portes

Maria de Fátima disse...

Com os três, mesmo passando por momentos diferentes, o sentimento foi justamente o NOSSO MOMENTO.É um amor único, forte, que chegava querer que o tempo parasse. O coração ficava apertadinho querendo tê-los sempre ali só comigo.
Com o primeiro filho, Pedro, a sensação foi mais forte, não só pela inexperiência como também por não ter mais nada com que me preocupar. Quando o segundo chegou, Daniel, torcia para ele querer mamar somente quando o Pedro não estivesse em casa ou estivesse dormindo, e assim podíamos ter aquele aconchego, aquela vontade de tê-lo bem aninhado no colo, eu sendo só dele e ele sendo só meu. Com o terceiro,André, como houve uma distância maior, foi como se fosse o primeiro só que numa versão melhorada, com mais experiência e sem a febre de leite, que tive com os dois primeiros. Perfeito.

Josiane disse...

Que lindo Gabs, amei seu blog!
E o texto tb já havia lhe dito q estava óteeeeeeeemo...

Amamentar para mim foi algo tão natural, sempe quis muito, e não tive problemas.... muito leite, nada de rachaduras... o começo é sempre muito ruim... adaptação, eles sugam o tempo todo... necessitam da gente sempre...
Mas é isso ai... depois vemos os resultados e vem a satisfação de estar relizando um precioso trabalho... o de SER MÃE... e estar disponível a eles passa a ser tão natural qto amamentar...

Raquel Sbrissa disse...

Querida...
Parabéns! Muito lindo o blog mesmo!

Sobre amamentação, nossa experiência foi intensa e só consegui amamentar por insistencia visto que pelo descuido e pela estresse do primeiro mês na uti quase secou a fonte. Mas Deus é misericordioso e me mandou anjos para nos socorrer.
Abdiquei de um bom emprego para tornar possível o sonho de amamentar exclusivamente até os 6 meses e hoje com seus 9 meses, Saroca mama como bezerrinha feliz, passou ilesa pelas primeiras viroses e faz cada dia valer a pena. Sempre digo, amamentar é uma decisão que tomamos enquanto grávidas. Demanda tempo e paciência mas tem a paga maravilhosamente boa, daquelas iguais ao do comercial... das coisas q o dinheiro não compra! :)
Amo você e pequena Malu!!
Bjosss
Quel

Ana Paula Barbosa disse...

Infelizmente não pude passar por essa experiência com essa intensidade,me emociona muito essas sensações que me foram tirada quando um problema de saúde me abalou. Mas tive, antes de ser imepdida alguns momentos marcados pela sua vinda, e que além de te amamentar algumas vezes e amamentar outras crianças que se encontravam impedidas de mamar em suas mães, uma emoção muito grande.
Espero que todas as mães possam participar desses momentos e sempre que posso incentivo muito essa postura.
Bjs
Sua mãe

helo_77 disse...

É o momento mais puro durante o dia!
Ele me olhando, sugando com vontade e eu sabendo que ali só tem coisa boa! No início falava que iria amamentar somente até os 6 meses... aí fui prosseguindo. Com 9 meses decidi que era hora de tirar as mamadas noturnas pois estavam me cansando demais... Agora, com 1 ano, ele continua mamando pela manhã e antes de dormir... e quando penso em desmame me dá um aperto no coração!
Como mães a gente vive com medo e com dúvida se está fazendo a coisa certa... mas amamentando você está sempre certa. Esta certeza é confortante também para a mãe... Beijo Gabi, adorei seu blog!