terça-feira, 9 de março de 2010

Malu TERCEIRIZADA ??!!??!




Hoje acordei ansiosa, era o primeiro dia de aula! Tudo corria maravilhosamente bem, almoçamos, coloquei o uniforme e fomos para a escola.

Uhhuuuuulllllll!!!!!!

Não, não era eu a aluna, era minha pequenina ai de cima, toda proza de uniforme. Entrou, deu a mão para a cordenadora e foi feliz conhecer sua turminha. E eu?

Ah, levei um bom livro, como quem tivesse sido capaz de prever o futuro. Ela se deliciou, nem se lembrou de mim, brincou, lanchou, correu e só foi embora porque seu horário de adaptação havia terminado. Na saída encontrou uma mãe embasbacada com o crescimento de sua menininha.

2 horas e 20 minutos, esse foi o tempo que ela ficou lá na sua salinha nova, com seus amiguinhos novos e com as professoras, também novinhas em folha para ela.

Fiquei tão feliz, enfim me senti fazendo a escolha certa, saímos de lá cantando.

Essa cena linda só pode acontecer por causa de uma palavra : FLEXÍVEL.

Nossa, a verdade (ou pelo menos a minha verdade ;) ) é que, se você deseja ser flexível você pode abandonar as aulas de Yoga! Alongamento? Sai dessa!! Se você deseja ser flexível VIRE MÃE!!!!!

Eu, que acreditava que bebês menores de 2 anos não socializam ainda e por isso não devem ir a escolinha, que não há melhor lugar para um bebê que com sua mãe, que maternar exclusivamente era uma dádiva levei hoje uma bela cusparada na testa, proferida por mim mesma, acreditam??!! (desculpem as mais delicadas, mas essa expressão cai tãoooo bem!)

Putz, ok que acho que mãe tem que ralar junto, ali, corpo a corpo com a cria, cuidar, maternar, amamentar, parir, dar atenção, rolar no chão, desenhar muitoooo, rir, educar, compartilhar... Mas confesso, TAVA FODA!!!!!!

Desde que minha ajudante nos deixou eu tava amargando aqui nessa vida de mãe que um dia eu pensei que ia amar (ahh conto de fadas...). Sem ressentimentos com quem ama isso tudo, que se dedica integralmente e curte para caramba, que se realiza assim, cada um sabe o que te faz bem.

Já disse por aqui o quanto eu achava lindo essa dedicação integral à criação dos filhos, que desejei criar minha filha assim e como tentei me enquadrar meu Deus! Assim como uma madeira rígida, quebrei a cara várias vezes, me levei ao fundo do poço tentando achar um ideal, que como tal está só nas idéias.

Fiquei muito tempo olhando de olho comprido pela janela da vida, vislumbrando tudo que queria acrescentar à minha carreira e riscando dia à dia o calendário que nos levaria aos 2 anos da minha filha e à minha liberdade.

Depois de muito repensar a vida demiti a carcereira!

De que vale ficar 24hrs com um filhos se o seu coração tá lá fora? Hoje me flexibilizei pela primeira vez, abri mão de estar com a Malu por algumas horas do nosso dia em nome de nossa felicidade. Foi meu primeiro passo, pretendo me flexibilizar ainda mais, em todos o ângulos da minha vida.

Sei que a tendência á rigidez é uma característica minha, mas hoje também vejo como impõem a nós, mães, ditos e regras a torto e a direito. Antes controlavam até o tempo das mamadas!! Hoje ainda determinam quando introduzir os sólidos, quanto tempo deve passar com a mãe, quando entrar na escola, quando largar as fraldas, se bobearmos levamos um mega Manual do Bebê para casa.

Mas o triste disso é que NENHUM Manual do Bebê vai funcionar cara companheira!!!! Cada bebê é um, cada mãe também!

Cada dia mais acredito que é a nossa felicidade que torna nossos filhos felizes e confiantes, não é que nossa presença não seja importante, é claro que é!! Mas vamos flexibilizar, né galera!!!

De quê adianta ficar em casa P*** da vida? Ou por na creche e ficar se remoendo o dia todo? Ou se torturar porque está louca por um chopinho com as amigas, mas ainda tá amamentando? Não vê a hora viajar com o marido, mas se sente a pior das mães por não levar os filhos juntos? Quer conhecer o mundo com os filhos nas costas, mas só escuta que é maluquice?

Aqui em casa FLEXIBILIZAR é o termo do momento!!! Estamos muito melhores assim. E por ai? Como vocês lidam com isso tudo?


Aqui tá dando mais certo assim, e por ai??

5 comentários:

Grazi disse...

Q bom qe tudo esta indo bem por ai gabi! A maluzinha deve estar uma lindeza so de uniforme!
Bjocas!

piscardeolhos disse...

Clap clap clap, de pé!
Acho que o segredo é esse mesmo, amiga (pena que leva tanto tempo pra gente aprender, já que alguem rouba o manual já no nascimento.
A escola certa é um lugar maravilhoso, a nossa experiência está sendo incrível - noah feliz, mãe feliz, pai feliz - e assim vamos levando.
Não que os dias de crise não apareçam - uma gripinha, uma saudade no meio da tarde, uma critica maldosa que meio que detenou seu dia e te encheu de culpa...enfim.
Mas quem é poderosa o suficiente pra descobrir esse equilibrio (que é o passo mais dificil) tem poder de sobra pra enfrentar os percalços do caminho.
Parabéns pela decisão, parabéns pela filha maravilhosa, pela relação que vcs estão construindo e - acima de tudo - por limpar o cuspe da testa e seguir em frente, forte e poderosa.
Ah, e benvinda ao mundo das mães ditas "mas onde??", conhece? Depois que eles entram na escola, todo dia é um "mas onde vc aprendeu a cantar isso?", "mas onde vc aprendeu a dançar assim?" "mas onde te disseram que o nome disso é unha??"
Em tempo: O QUE VEM A SER A MALU DE UNIFORME????? MORRI!!!!!!!!!!! AVISA O PAI QUE JA TEM PRETENDENTE NA PORTA :)
Em tempo 2: passa lá no blog que tem post sobre meu amor declarado a escola. O titulo é bem sugestivo "das mães dementes, das freiras e dos açougueiros".
Num faz todo sentido?
Beijo e saudadona!
Ro

Mariane disse...

adorei a Malu de uniforme!
e o coração de mãe sofre, quase chega a parar né Gabi! rs
adoro suas postagens!
bjoks

Lila disse...

Gabi, desde que não seja em Direito do Trabalho, acho que flexibilizar é ótimo! Acho que a maternidade faz a gente "desconstruir" muitos conceitos e preconceitos, e isso é maravilhoso. Beijos e a Malu tá uma gracinha de uniforme!

Futura mamãe disse...

Parabéns Gabi!!! A sua decisão realmente foi acertada. É como você mesma disse "cada ser é único e não existe um manual para se criar um(a) filho(a)". As mães e filhos vão se conhecendo e adaptando-se uns aos outros. Não é a toa que o ditado popular diz: "mesmo que se dê a mesma criação para dois filhos, cada qual terá a sua personalidade e seu jeito. Como diz uma frase que tenho como lema: "Somos guiados e moldados pelas mãos de Deus" e no seu caso foi assim, a sua escolha foi uma benção para sua vida e para a vida de sua filha. Lembre-se disso que nunca se sentirá sozinha em suas escolhas. Eu ainda não sou mãe, estou na fase das tentativas, mas estou lendo muito sobre o assunto e adorei os seus relatos, aprendi muito com suas experiências.Muito obrigada por compartilhá-las.Eu tenho um bloguinho (www.odespertardeumanjo.blogspot.com) que também relata as minhas experiências como treinante e futuramente, se Deus permitir, como mamãe, qdo puder me faça uma visita adoraria manter contato com você, já que você fala da maternidade de uma forma única, pois mostra os momentos maravilhosos e também os pequenos percalços encontrados no caminho que com força e fé são superados.
Felicidades para você e para sua bela filha.